No editorial da Revista Dragões, o presidente do FC Porto fez o balanço da época que terminou com o título de campeão nacional.

 

Pinto da Costa fez o balanço de uma época que terminou com a conquista de um título que fugia ao FC Porto há quatro épocas, alcançado após um percurso "feito sobre um largo plano inclinado" apesar das "armadilhas" plantadas.

"Foi difícil. Na verdade, não esperávamos outra coisa, especialmente depois de se tornar claro, para nós e para todos, mesmo para os que não queriam ver, que o nosso percurso seria feito sobre um longo plano inclinado, como se cada jogo fosse uma exigente prova de escalada. Foi justo. Corrijo: foi mais do que justo. Depois de sete meses na frente, a praticar o melhor futebol e o jogo mais intenso, marcando mais golos e sofrendo menos do que qualquer adversário, o campeão só poderia ser um, só poderia ser o FC Porto", escreveu o presidente do FC Porto no editorial da Revista Dragões de abril.

A vitória do FC Porto na Luz, onde recuperou o primeiro lugar que pertenceu ao Benfica durante duas jornadas, foi o momento alto salientado por Pinto da Costa, que falou num "soco no estômago". "Foi fantástico. Recuperar o primeiro lugar no Estádio da Luz, onde, na verdade, já nos habituamos a vencer, foi uma espécie de justiça divina na forma de um pontapé, que para muitos, para aqueles que foram plantando armadilhas no nosso caminho, se transformou num soco no estômago", sublinhou, antes de continuar.

"Foi inspirador. Ver a equipa cair e a levantar-se a cada rasteira, correndo mais do que qualquer outra, apesar de empurrada para trás mais do que qualquer outra, deixa-nos ainda mais orgulhosos do trabalho desenvolvido pelo treinador e pelos jogadores. Sabíamos que seria contra tudo e contra todos, já o tinha escrito antes, mas não sabíamos que seria tanto", referiu Pinto da Costa.

 

Fonte: ojogo.pt

Relação entre Luís Filipe Vieira, Paulo Gonçalves e Nuno Cabral foi um dos temas em destaque.

 

Como habitualmente, a última terça-feira foi dia de “Universo Porto da Bancada”, no Porto Canal, programa no qual Francisco J. Marques, abordou a estreita relação entre o presidente do Benfica Luís Filipe Vieira, Paulo Gonçalves e Nuno Cabral. O diretor de comunicação e informação do FC Porto lembrou que os encarnados tinham em sua posse todos os contactos (telefone e e-mail) dos árbitros de primeira categoria, deixando claro que há comunicação interna no Benfica sobre estes assuntos. Ainda sobre arbitragem, foi abordado o caso do condicionamento de Carlos Xistra, através de pinturas na cidade onde reside, cujos responsáveis ficaram patentes através de comunicações de Domingos Soares Oliveira.

 

Fonte: fcporto.pt

Dragões reagiram ao comunicado publicado pelo Benfica, a propósito da operação Cashball.

 

"O FC Porto repudia mais um expediente usado pelo SL Benfica que, aproveitando-se das investigações a cargo da Polícia Judiciária sobre alegados atos de corrupção desportiva da Sporting SAD, tenta desesperadamente ressuscitar a sua velha tese de vítima no caso dos e-mails divulgados pelo nosso Diretor de Comunicação através do Porto Canal.

O FC Porto reafirma que o caso dos e-mails é de toda a evidência péssimo para o futebol e o desporto português em geral, não pelo modo como foi divulgado ou pela forma como foram obtidas as informações, mas sim pelos indícios criminosos que os conteúdos desses mesmos e-mails contêm. E tanto assim é que estão sob investigação judicial e até já fizeram detidos em correlação com o tenebroso caso denominado e-toupeira em que o Estado de Direito foi violado."

 

Fonte: fcporto.pt

Diretor de comunicação do FC Porto Francisco J. Marques comentou a revelação de alegados emails do Benfica.

 

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, comentou esta terça-feira a revelação de alegados e-mails do Benfica, estes dando conta de que o clube teve acesso às informações pessoais dos 25 árbitros principais da 1ª categoria. "Estes novos dados tornados públicos vêm acentuar o desejo do Benfica em criar um esquema para controlar em absoluto a arbitragem. Desta vez, consegue-se perceber como se estabelece o relacionamento entre Paulo Gonçalves e Nuno Cabral, que tinha deixado de ser árbitro e faz-se valer dos contactos para fornecer ao Benfica um conjunto de dados. Em 2012 há o fornecimento ao Benfica, através de informação que é feita chegar ao Paulo Gonçalves e que depois a faz chegar ao presidente Luís Filipe Vieira, todos os contactos do árbitros da primeira categoria de então. Isso, logo à partida, levanta uma interrogação muito clara. Por que é que um determinado clube, seja ele qual for, quer ter os contactos dos árbitros? A isto nunca ninguém responde", afirmou esta terça-feira no Porto Canal.

Tendo estas revelações como ponto de partida, o diretor portista estranha o comportamento da associação de árbitros: "Todos nos lembrámos que, sempre que algum protagonista do futebol aparecia a criticar um árbitro, a APAF vinha a protestar contra isso. E a que assistimos agora? O Sr. Luciano Gonçalves nem pia. Todos nos lembrámos que, a determinada altura, se fazia valer da sua posição na APAF para arranjar convites para jogos no Estádio da Luz, para levar uma associação da terra dele. Mas tudo isto demonstra uma série de pessoas que acabam por ficar capturadas ao interesse do Benfica, porque este tinha uma capacidade de obter informação. E esta é aquele que é pública, imaginem agora a que não é. Isto chega ao ponto do Nuno Cabral sugerir que alguém importante telefone ao Vítor Pereira [ex-presidente da CA] para que altere a nomeação de um árbitro", afirmou, para depois chegar a a mais uma conclusão.

"Desta fica claro que o Paulo Gonçalves dá conhecimento de tudo ao Luís Filipe Vieira e reencaminha todos os mails que recebe do Nuno Cabral para o Luís Filipe Vieira. Fica comunicação que há comunicação interna do Benfica sobre estes assuntos. Não se pode alegar que isto foi iniciativa de alguém. A partir do momento em que se partilha, é sinal que se está a usá-la. Ao longo deste último ano, há um manancial de informação que torna muito evidente que o Benfica tinha um projeto, que colocou em prática e do qual beneficiou, que procurava condicionar os árbitros e fazer com que eles tivessem um medo terrível de errar contra o Benfica. E para isso suportou-se em Nuno Cabral, Ferreira Nunes ou Ricardo Costa, que volta a ser protagonista nestas revelações, sempre com emails alternativos", contou ainda Francisco J. Marques.

 

Fonte: ojogo.pt

Em causa está o alegado esquema de corrupção que envolve o Sporting e o campeonato de andebol 2016/17.

 

Esta terça-feira foi dia de “Universo Porto da Bancada”, programa no qual Francisco J. Marques, diretor de comunicação e informação do FC Porto, abordou o alegado esquema de corrupção concebido pelo Sporting para vencer o campeonato nacional de andebol da temporada passada, em claro prejuízo dos Dragões. A constituição de dois novos arguidos no caso e-toupeira, que envolve o Benfica, também foi um tema falado por parte de Francisco J. Marques e do restante painel (José Cruz e Pedro Bragança).

 

Fonte: fcporto.pt

© 2017 +FC PORTO - All Rights Reserved. Developed by animarnegocios.com