Menu

″Dou sempre mais minutos aos jogadores que conhecem bem o processo de treino″

+FCPorto 6 meses ago

Sérgio Conceição fez esta quinta-feira a antevisão ao Estrela da Amadora-FC Porto, da quinta jornada da I Liga. O jogo está marcado para as 19h15 de sexta-feira.

Sobre o facto de ter vindo a utilizar praticamente o mesmo onze: “São jogadores que conhecem bem o que querem. O mercado mexe muito com um balneário, mesmo blindando a porta do Olival. A informação é muita, os jogadores têm muitas pessoas que gravitam no seu ambiente e não é fácil ter essa tranquilidade de espírito para depois corresponder da melhor forma. Temos entrado mal nos jogos, ainda jogamos pouquinho, na minha opinião. Este é o meu sétimo início de época no FC Porto, dou sempre mais minutos aos jogadores que conhecem bem o processo de treino e tendo em conta aquilo que queremos para os jogos. Houve uma exceção, que foi o Nico, que entrou na equipa titular, e depois o Varela, no decorrer do jogo. A qualidade dos plantéis e das equipas técnicas são cada vez mais superiores, hoje não há jogos fáceis. Os quatro primeiros da última época já perderam pontos neste campeonato. O Benfica e o Braga até já foram derrotados nestas quatro primeiras jornadas. No início de época, eu prefiro dar mais minutos aos jogadores que têm um conhecimento superior aos outros que chegam. O Marchesín e o Matheus Uribe eram jogadores que eu achava, pela sua experiência, e vejam a idade e o que tinham feito nos clubes, eram capazes de entrar na equipa e não haver uma diferença muito grande em relação aos jogadores que foram substituir. Este tempo foi importante para trabalhar, para melhorar. Não será em tudo. Para a semana, vamos estar a falar em algo que temos de melhorar, com um jogo a meio na Liga dos Campeões. Isto, agora, é correção “treino jogo”, é o nosso dia a dia”.

A equipa sofreu golos nos cinco jogos que disputou até agora na presente época: “Temos vindo a trabalhar a organização defensiva. A base para se ganhar é o 0-0, ou seja, não sofrendo golos. Marcando três podemos sofrer dois para se ganhar, mas eu não sou muito adepto disso. A organização defensiva foi um dos aspetos que trabalhámos”.

Fonte: ojogo.pt