Menu

Eustáquio e o autogolo: «Gostava de ter sido invisível naquele momento»

+FCPorto 3 meses ago

Titular diante do Shakhtar Donetsk, Stephen Eustáquio mostrou-se satisfeito pelo triunfo e apuramento alcançado pelos dragões para os ‘oitavos’ da Champions e apenas lamentou o autogolo que marcou.

“Foi um jogo muito difícil. Sabemos que o Shakhtar tem uma excelente equipa e, mesmo quando ganhámos fora, foram algo desvalorizados, mas nós não sentimos isso. O Shakhtar tem uma excelente equipa, provou isso hoje e sabíamos que o jogo seria difícil. Tínhamos dois resultados possíveis, enquanto eles só tinham um e o foco é diferente. Sinto que ganhámos este jogo porque fomos à procura de ganhar. Eles têm muita qualidade, são fortes a sair a jogar, com posse de bola e jogadores que conseguem resolver. Soubemos sofrer, mas mostrámos que somos uma equipa mentalmente forte para ir atrás do resultado, mesmo após o primeiro golo deles que criou alguma incerteza. Fomos fortes, recuperámos o resultado e isso é o mais importante”, começou por dizer, à DAZN.

Diante do Shakhtar Donetsk, o médio canadiano destacou-se pela forma como comandou o setor intermediário, mas para o próprio… foi apenas um trabalho como habitual. “Eu faço o que tenho a fazer. Quero acreditar que sou um jogador que coloca a equipa em primeiro lugar, nunca procuro exibições individuais que ponham em causa o que a equipa faz. Faço ações curtas, tento ser o mais simples possível, tento equilibrar a equipa ao máximo e ser forte nos duelos. Quando tenho a bola, tento decidir o melhor possível e em prol da equipa. Penso que é por aí que estou a ganhar protagonismo. Faço o que o treinador manda e o que a equipa precisa.”
Apesar da boa atuação, Eustáquio leva deste jogo a marca de ter marcado um autogolo. “Fiquei triste, porque não tive reação naquele lance. Gostava de ter sido invisível naquele momento, mas é o que é.”
E a fechar, um olhar ao sorteio: “São as 16 melhores equipas da Europa. Qualquer jogo vai ser difícil e acredito que quem calhar ao FC Porto sabe que vai ter dificuldades.”

Fonte: record.pt