Menu

A clássica inferioridade numérica. Crónica de jogo.

+FCPorto 2 meses ago

Reduzido a dez desde o minuto 51, o FC Porto perdeu em Alvalade (2-0) na 14.ª jornada da Liga

O terceiro clássico da temporada azul e branca terminou como os dois anteriores: com o FC Porto reduzido a dez e com o rival a vencer (2-0). Desta feita a sorte sorriu ao Sporting, que beneficiou da expulsão de Pepe no início da segunda parte para quebrar uma série de oito jogos sem bater o emblema da Invicta para se isolar no topo da classificação do campeonato, três pontos à frente dos portistas e um acima do vizinho Benfica.

Sérgio Conceição lançou Zé Pedro e João Mário de início, em vez de Fábio Cardoso e Jorge Sánchez, mas a melhor defesa do campeonato só manteve a folha limpa durante 11 minutos, até Gyökeres receber uma bola longa, rodar sobre Pepe e abrir a contagem num remate rasteiro que entrou junto do poste mais próximo.

No duelo seguinte com o sueco, o capitão viu o amarelo que Matheus Reis não viu no primeiro ataque do encontro e ficou condicionado logo ao quarto de hora, tal como Alan Varela. Os lisboetas apresentavam-se mais fortes nas divididas, os portistas tardavam em descobrir o caminho da baliza quando, aos 34, Gyökeres escapou ao cartão após pisão no tendão de Aquiles de Pepe.

Em cima do intervalo, já depois de Evanilson deixar o primeiro aviso e de Nuno Almeida assinalar falta sobre João Mário antes de a bola ultrapassar a linha de baliza visitante, o ala formado no Olival galgou metros pelo corredor direito, apareceu no último terço e cruzou na medida certa para Galeno cabecear, proporcionando a defesa da noite a Adán.

Das cabines regressaram os mesmos 22, que passaram a 21 num ápice: Matheus Reis envolveu-se com Pepe enquanto este tentava cobrar rapidamente um pontapé livre e o internacional português acabou expulso. Zaidu mudou-se da esquerda para o eixo, Galeno recuou para lateral e Diogo Costa manteve o marcador à distância mínima com a luva direita.

O guardião azul e branco nada pôde fazer para impedir que a equipa sofresse o segundo em contrapé e inferioridade numérica. Mesmo a jogar com menos um, os Dragões podiam ter marcado ao minuto 64, na sequência de um contra-ataque rápido que Evanilson não finalizou da melhor forma.

O avançado brasileiro até marcou, porém o golo viria a ser anulado por posição irregular de Mehdi Taremi – imediatamente antes de Zaidu e João Mário darem a vaga a Fábio Cardoso e Francisco Conceição. Apenas com dois defesas de raiz, os centrais, o FC Porto fazia o que podia, só que o Sporting tinha a faca e o queijo na mão. As entradas de Fran Navarro e André Franco, para os lugares de Evanilson e Eustáquio, ainda tentaram mexer com o jogo, porém o destino do clássico já estava traçado há muito.

Fonte: portocanal.sapo.pt