Menu

“Não há ninguém que venha ao Dragão e que não o considere uma obra-prima”

+FCPorto 4 meses ago

Jorge Nuno Pinto da Costa falou sobre o 20.º aniversário do Estádio do Dragão

No dia em que o Estádio do Dragão celebra 20 anos de vida, Jorge Nuno Pinto da Costa falou de “uma luta tremenda” contra alguém que “queria inviabilizar esta obra”, mas a partir daí, “há momentos históricos que nunca vamos esquecer”. O presidente do FC Porto não esconde o “orgulho” que sente por ter idealizado o digno sucessor do Estádio das Antas e espera que este dia seja visto sobretudo “como uma obrigação de continuarmos a lutar por êxitos”. “Muitas pessoas me diziam que se continuaria a dizer Estádio das Antas, mas eu acreditava que não seria assim. A prova de que estava certo é que, hoje em dia, toda a gente diz “vou ao Dragão”. O nome Dragão está para sempre ligado ao FC Porto e ao nosso estádio”, acrescentou o dirigente mais titulado da história do desporto.

20 anos de Dragão
“Foram 20 anos com muitos sucessos neste estádio. Há precisamente 20 anos conseguimos inaugurá-lo depois de uma luta tremenda, nomeadamente contra o então presidente da Câmara, que queria inviabilizar esta obra. Só se conseguiu por intervenção do Dr. Jorge Sampaio que, vendo os prejuízos que poderia dar, pôs-se em ação para impedir que esse boicote fosse para a frente. Foi uma noite fantástica, com muito vento, que ficou marcada pela estreia do Messi na equipa principal do Barcelona. Foi também a nossa primeira vitória no Dragão e o Derlei foi o primeiro a marcar um golo neste estádio. A partir daí, há momentos históricos que nunca vamos esquecer. Em 20 anos, ganhámos aqui 11 campeonatos, e no primeiro vencemos logo a Liga dos Campeões. É um prazer enorme rever alguns jogadores desse tempo, salientando que o Derlei veio propositadamente do Brasil para estar connosco e com os antigos colegas que puderam cá estar. Isso demonstra o que era aquela equipa e o que era o FC Porto para eles, por isso não podemos esquecê-los e temos de lhes mostrar o que representam para o FC Porto. Espero que, nos 20 anos que se vão suceder, vençamos o mesmo que nos últimos 20. Já não peço mais, mas que pelo menos vençamos o mesmo. É uma obra que o arquiteto Manuel Salgado fez com todo o carinho e não há ninguém que venha ao Dragão e que não o considere uma obra-prima. Sinto orgulho nisso, pois foi numa presidência minha em que se iniciaram os trabalhos e em que foi inaugurado. Que este dia seja assinalado como uma recordação, mas sobretudo como uma obrigação de continuarmos a lutar por êxitos. Estou confiante de que no próximo dia 13 de dezembro possamos garantir mais um êxito, que é a qualificação para os oitavos de final da Liga dos Campeões. Por isso, apelo aos adeptos para estarem presentes, pois será importante para nós e para o futebol português.”

A origem do nome, que pegou
“Houve realmente uma proposta para porem o meu nome no estádio, mas não estive de acordo e continuo a pensar que agi bem. Não gosto de ver pessoas em exercício nos seus lugares a permitirem que o seu nome seja colocado em coisas importantes como é este estádio. Nós olhamos para o dragão como sendo um símbolo do FC Porto, até porque está no alto do nosso emblema no escudo da cidade, por isso achei que seria o nome ideal. Muitas pessoas me diziam que se continuaria a dizer Estádio das Antas, mas eu acreditava que não seria assim. A prova de que estava certo é que, hoje em dia, toda a gente diz “vou ao Dragão”. O nome Dragão está para sempre ligado ao FC Porto e ao nosso estádio.”

Fonte: fcporto.pt