Menu

Sérgio Conceição chega aos 500 jogos: números e curiosidades

+FCPorto 3 meses ago

Sérgio Conceição costuma dizer que gosta pouco de estatísticas, mas há um número redondo na carreira que vai atingir no sábado que o deixará com orgulho: a receção ao Casa Pia será o 500.º jogo que vai orientar enquanto treinador de equipas portuguesas.

Ou seja, somando o percurso que começou há quase 12 anos, no Olhanense, passando pelo banco da Académica, dos dois “grandes” do Minho, Vitória e Braga, e mais recentemente no FC Porto, onde vai batendo todos os recordes do clube. Seja de longevidade, seja de conquistas. Os 26 encontros que fez no Nantes não entram, naturalmente, nestas contas.

Tem sido, portanto, uma carreira sempre ascendente do técnico que só chega já a esta marca porque no verão recusou os milhões da Arábia Saudita para cumprir com o último ano do atual contrato que tem com os dragões, onde   soma 70 por cento dos jogos por clubes portugueses. A estreia como treinador profissional aconteceu a 8 de janeiro de 2012 numa derrota do Olhanense (1-2)  frente ao Marítimo. Desde então, somou apenas mais 96 desaires em todas as competições em que orientou as equipas nacionais. Ou seja, tem menos de 20 por cento de resultados negativos em toda a carreira.

E se olharmos apenas para os números no FC Porto, são ainda menos: 13,5 %. Ao fim de 34 partidas na equipa algarvia, Conceição foi para perto de casa ajudar a salvar a Académica da descida em 2012/13, conduzindo os “estudantes” ao 7.º lugar do campeonato na época seguinte. Saiu com 41 jogos para aceitar o convite de António Salvador para assumir as “rédeas” do Braga. Terminou a Liga em 4.º e chegou à primeira final da carreira, perdendo a Taça de Portugal nos penáltis para o Sporting.  Apesar dos bons resultados em 45 jogos, seria despedido “por justa causa”, na sequência do procedimento disciplinar instaurado devido a um desentendimento com o presidente do Braga.

Esteve pouco tempo desempregado, já que em setembro de 2015 sucederia a Armando Evangelista no outro “grande” do Minho, o Vitória. Foi onde teve os piores resultados, vencendo apenas oito dos 31 jogos em que orientou a formação do “Berço”. Seguiu-se a única, e curta, experiência fora de Portugal, no Nantes, com quem se desvinculou no verão de 2017 para iniciar uma nova era num FC Porto que nada vencia há quatro anos. Começou por impedir o “penta” do Benfica e seis anos e meio depois já conquistou dez troféus, transformando-se no recordista do clube a esse nível e, também, no número de jogos orientados. Amanhã, na receção ao Casa Pia, estará no banco dos dragões pela 349.º vez, a 500.º somando todos os clubes nacionais.

Fonte: ojogo.pt