Menu

Sérgio Conceição: “Merecíamos acabar à frente do Barcelona”

+FCPorto 3 meses ago

Para lá da dimensão financeira e desportiva, o que fica desta qualificação? “É um objetivo conseguido. Talvez na melhor prova de clubes do mundo onde o FC Porto tem a sua história, e fizemos por merecer estar nos oitavos mais uma vez. De louvar o trabalho dos jogadores, a preparação dos jogos, o que foi estrategicamente preparado e a mensagem absorvida pelos jogadores. Os detalhes fazem a diferença e o grupo está de parabéns.”

Festejou no balneário ou puxou das orelhas pelos golos sofridos? “Houve muitos momentos onde fomos competentes. O golo onde não fomos tão competentes foi quando tínhamos a bola e foi um erro individual. Num deles há uma falta e o primeiro é caricato. Os jogadores páram quando o assistente levanta a bandeirola e fazem o empate. Mas houve consistência, foi a base para se ganhar, para fazer golos, estarmos fortes e inteligentes a defender e a perceber a forma de jogar do adversário. O Shakhtar tem muita qualidade, tem coragem, joga como uma equipa grande, privilegia a construção pelo guarda-redes. Se não fossemos bem organizados e perceber que a pressionar alto damos meio campo ao adversário, em termos de espaço, tínhamos de ser muito competentes e fomos em muitos momentos. Tínhamos de perceber e trabalhar os momentos. Estou muito satisfeito com a equipa no processo defensivo. Com cinco golos acabamos como o quinto melhor ataque na competição. O grupo está de parabéns, estou satisfeito.”

Adversários e preferências para os oitavos? “É a quinta vez que chegamos aos oitavos, duas aos quartos eliminados pelos campeões da Europa. No sorteio essa sorte não temos tido. Não desejo… Não é que escolha um adversário para defrontar, os jogos são preparados da mesma forma. Não correu bem na Taça da Liga, aqui tivemos caudal contra o Barcelona e mereciamos acabar à frente, mas acabamos com os mesmos pontos do Barcelona mas não conseguimos concretizar. Às vezes o teoricamente mais difícil não é, outros mais acessíveis poderão ser mais difíceis. O que vier há de ser.”

Fonte: ojogo.pt