Menu

Sérgio Conceição: “Vivemos sempre destas finais neste clube”

+FCPorto 3 meses ago

A colagem do FC Porto ao primeiro lugar no campeonato trouxe alguma motivação? “São coisas diferentes, competições diferentes. Jogámos com o Casa Pia, houve a satisfação de termos feito um bom jogo e retificarmos algumas situações que não tínhamos feito na Amoreira, com o Estoril. O futebol é um recomeçar constante e no final do jogo do Casa Pia já estávamos a pensar neste jogo do Shakhtar e depois pensaremos no jogo do campeonato. O futebol é isto. O que nos tem de dar motivação não é qualquer tipo de resultado dos adversários, mas o trabalho diário aqui.”

Pelo contexto geopolítico a que fez referência e até aos prognósticos que se fizeram antes da fase de grupos, quem tem mais a perder neste jogo: o FC Porto ou o Shakhtar? “É uma final e nós damo-nos bem com as finais. Mas é uma final nesta competição, segunda-feira teremos uma final para o campeonato e assim sucessivamente, porque nós vivemos sempre destas finais neste clube. Qualquer ponto perdido no campeonato atrasamo-nos, perdemos na Amoreira e ficámos de fora da Taça da Liga, na Taça de Portugal também poderá ser assim… Ou seja, nós estamos habituados a este tipo de pressão. Até acho que é uma boa pressão. Como disse na última conferência, neste clube dar tudo não chega, ir ao limite é o mínimo. E volto a dizê-lo, porque tem de estar sempre presente no nosso trabalho diário. Sabemos da importância do jogo, mas mais do que isso é o nosso trabalho diário com essa motivação e dedicação. Depois as coisas vão surgindo. Há pouco lembrei-me dos dois jogos que tivemos dentro deste contexto e, com o Atlético de Madrid, em casa, merecíamos e estávamos numa posição muito favorável para passar a poucos minutos do fim e acabámos por perder. Noutra situação foi diferente… Enfim. A imagem do jogo será muito da nossa competência no mesmo, dentro do que definimos como estratégia, percebendo que não podemos adivinhar o que o adversário faz, até porque nas provas internas o Shakhtar é um bocadinho diferente do que faz na Liga dos Campeões. Podemos estar preparados para diferentes cenários dentro desses momentos do jogo e sermos competentes. Se formos, tenho a convicção de que as coisas vão correr bem.”

Fonte: ojogo.pt